Bahia, 21 de Outubro de 2019
CUIDADOS

Não olhar recomendações dos fabricantes de brinquedos pode colocar a saúde do seu filho em risco
Se você não costuma seguir as recomendações dos fabricantes de brinquedos, especialmente em relação à idade para manuseio, atenção: você está colocando em risco a saúde do público infantil. O alerta é do clínico geral e médico socorrista da Vitalmed, Ricardo Estevam, que também ressalta outras medidas fundamentais de precaução e segurança, especialmente no mês das crianças.
Por: Lume Assesoria
08/10/2019 - 08:40:49

Se você não costuma seguir as recomendações dos fabricantes de brinquedos, especialmente em relação à idade para manuseio, atenção: você está colocando em risco a saúde do público infantil. O alerta é do clínico geral e médico socorrista da Vitalmed, Ricardo Estevam, que também ressalta outras medidas fundamentais de precaução e segurança, especialmente no mês das crianças.

“É preciso observar o selo do Inmetro, como também se atentar à faixa etária indicada em cada produto, nível de habilidade da criança e avisos sobre eventuais riscos. Essas questões devem ser levadas em consideração, uma vez que podem oferecer riscos de engasgamento (em caso de peças pequenas), estrangulamento e/ou sufocamento (produtos com correntes, cordas e tiras), cortes (pontas e bordas afiadas) e quedas (principalmente com patins e patinetes)”, detalha o médico.

Ricardo Estevam também reforça os cuidados que devem ser tomados em relação aos animais de estimação. “É muito comum que os pais presenteiem seus filhos com um gatinho ou cachorro, por exemplo. Neste caso, é importante ficar sempre de olho, pois a mordida destes animais pode provocar infecções. É aconselhável que os pets estejam sempre vacinados, vermifugados e, se possível, evitar o contato com crianças com menos de três meses de vida”, alerta. 

O que fazer antes do atendimento especializado chegar?

Engasgo/asfixia: manter a calma é a primeira dica. Vire a criança de bruços, apoiando-a na coxa. Na sequência, com uma das mãos, dê palmadas leves nas costas da criança cinco vezes. Caso não funcione, na mesma posição, vire a criança com a barriga para cima e, com os dois dedos maiores da mão, aperte o esterno (parte de baixo do osso que fica entre as costelas) cinco vezes, até que o objeto seja expulso. Importante: se for uma criança maior, não peça para que a vítima levante os braços ou coloque a cabeça para trás; isso só aumentará a obstrução.

Cortes: se forem cortes pequenos, devem ser lavados com água corrente e sabão neutro, de modo que as bactérias não entrem na ferida. Se for um corte de grande dimensão, existindo perda de sangue, pressione a ferida com pano limpo e seco.

Quedas: o primeiro passo é tentar acalmar a criança, que certamente estará chorando. Feito isso, observe os sintomas, que podem ser feridas superficiais, palidez, vômitos, dores no corpo e desmaios. Se a criança estiver inconsciente ou não conseguir se mover, não é recomendado removê-la do local.

Mordida de animal: lave o local da mordidela com água corrente e sabão neutro.

Observação: além de realizar os primeiros socorros, em todas as situações é imprescindível chamar o atendimento médico.

Veja + Notícias/Geral
SAÚDE

Plástica ocular tem sido cada vez mais procurada por pacientes que almejam melhorar autoestima e também tratar de algumas doenças
Os olhos são a janela para o mundo, parafraseando o clichê, e o olhar pode desvendar a idade dos donos. Isso porque é justamente nessa região que começam a aparecer os primeiros sinais do envelhecimento. E, para driblar os efeitos naturais do tempo, muitas pessoas estão buscando por procedimentos estéticos minimamente invasivos, que restaurem características joviais e melhorem a autoestima: as chamadas Plásticas Oculares ou Oculoplástica.