Bahia, 20 de Maio de 2018
Por: A Gazeta Bahia
12/02/2018 - 11:36:10


Quem frequenta as praias de Porto Seguro durante as temporadas, passa momentos angustiantes e muita raiva. Imaginem que um pequeno percurso de cerca de 20 quilômetros, entre o Trevo do Cabral até o complexo Barramares, pode durar horas, sob o sol escaldante. O que não é diferente se você pretende sair do Trevo Cabral até Arraial D'Ajuda.

Várias tentativas já foram feitas para amenizar a grave situação. O Governo do Estado, juntamente com a Prefeitura de Porto Seguro construíram o semi-anel viário, ainda sem conclusão, e até agora, de pouca serventia e pouquíssimo usado pelos turistas e visitantes.

Outra tentativa que ficou pelo caminho foram os aportes na Rua do Telégrafo, que também nunca funcionou como via para desafogar o trânsito na Orla.

Na verdade, o que falta mesmo é força de vontade por parte do Governo Federal, que além de ser omisso, não tem boa vontade para resolver a questão.  Criando alternativas para ampliar ou abrir outras pistas paralelas, se não em todo trecho, pelo menos nas localidades de mais engarrafamentos.

Quando pensamos que um trecho da rodovia está destruído há anos pelo avanço do mar, desde quando o baiano César Borges era ministro dos Transportes, e este, estando em Porto Seguro, se comprometeu a autorizar os reparos. Coisa que não conseguiu fazer.

Imaginem que, há pouco dias, uma pequena ponte quase foi abaixo, obrigando o município a intervir, para que o tráfego não ficasse interrompido.

A ampliação da rodovia, por certo, não sairá do papel. O Governo está quebrado, e acima de tudo, falta boa vontade. Pelo visto, esse gargalo infernal ainda vai predominar por muitos anos. E o turista passará muita raiva ainda.

O município tem como opção fazer um estudo detalhado sobre a trafegabilidade entre Porto a Coroa Vermelha.  Isso, seria um bom início.

 

Veja + Notícias/Geral